Distantes de nós mesmos

Em 15/08/2017 , Comments

Distantes de nós mesmos

Já observou como estamos distantes das nossas raízes? Quantos ensinamentos se perderam de gerações em gerações? Que existe uma sabedoria que existia em nossos ancestrais e que infelizmente, deixamos de lado? Será que faz falta o que perdemos dos nossos ancestrais?  Teria como resgatar isso? Trazer esses ensinamentos para nos conectar novamente com nossas bases, a mãe natureza, para encontramos nosso eixo de novo?

Força interior

Quando estamos conectados a nossa essência, unimos dentro de nós duas forças: o pai céu e a mãe terra. Elas se reúnem em nosso coração, o ponto de equilíbrio que está alicerçado no amor. Amor pela vida, pelos seres vivos, pela mãe natureza... Amor que respeita a hierarquia de quem vem antes. Amor que humildemente se coloca como aprendiz diante daquele que já viveu muito.

Longe da nossa essência

Quando não prestamos atenção ao canto dos pássaros, não sentimos mais a brisa que toca nosso rosto, não permitimos que a alegria do seu animalzinho de estimação transforme seu humor, nos alimentamos mais de industrializados do que daquilo que vem da terra... algo está muito errado. E esse algo, somo nós! Nós estamos fora do eixo, distantes da nossa essência mãe.

Quando nos distanciamos de quem somos, nossa alma sofre. Nossos pensamentos ficam limitados. Nossas emoções e relacionamentos não se tornam benéficos. Nosso corpo adoece. Tudo isso para nos chamar a atenção, para nos alertar de que esse não é o nosso caminho.

Em busca do equilíbrio

Existe uma grande provocação no meio disso tudo: encontrar o equilíbrio em um momento em que estamos muito mais urbanos do que interioranos.  Não estar 100% em um dos extremos é desafiador. Afinal, viver apenas de fast food, conectados apenas às tecnologias, isolados do mundo, sem vínculo algum com a mãe natureza, é o caminho certo para a morte. Agora, da mesma forma, viver 100% para a natureza, comendo apenas alimentos 100% orgânicos, nos afasta das pessoas, em vez de sermos uma ponte para inspirá-las a ver a vida de forma diferente. De nada adianta radicalismos se não conseguimos estar junto às pessoas, conviver com elas, aceitando suas escolhas...

Alerta

Por isso, te escrevo aqui para um grande alerta: convicções. Convicções nos tornam radicais. Convicções nos tornam desequilibrados, intransigentes e ninguém gosta de estar perto por muito tempo de pessoas que não sabem ser flexíveis. Elas se tornam chatas. Sim. Chatas. E, infelizmente, você pode estar sendo nesse exato momento um chato na vida das pessoas que você convive, caso não consiga aceitar o outro do jeito que ele é. Até porque, impor seu jeito de pensar, estilo de vida sobre os demais, é arrogância pura. Falta de humildade. Inclusive, falta da percepção do aprendizado do outro.

Conexão

Conexão com nossas raízes está disponível para todos que desejam. Por que nem todos se beneficiam delas? Por que não conseguimos ter esse apoio para nossa vida destrancar? Para sermos felizes? Leves? Termos a paciência e sabedoria para lidar com o diferente? Um dos motivos é porque nosso estilo de vida nos leva a se afastar disso. Outro motivo: ninguém nos falou sobre a importância de despertar dentro de nós o curador que há em nós. Se somos nós que desenvolvemos o caos, a dor, o sofrimento, também somos nós que colocamos tudo no eixo. Para isso, é importante buscarmos o nosso cardume.

Aline, o que é o Cardume que você fala?

O cardume que tanto falo nasceu da brincadeira de eu ser do signo de Peixes e precisar de um cardume. Porém, essa brincadeira tomou uma proporção bem maior, quando fiz uma regressão terapêutica e o mentor me disse que essa era uma das minhas missões de vida: reunir um grande cardume de seres de luz que estavam distantes uns dos outros pela cultura, ou por uma questão geográfica, pelo motivo que fosse. Reunir esse cardume em torno de uma mesma meta: apoio mútuo com direção certa. E é isso que busco aqui. Juntar esse grupo de pessoas que sofre por estarem sozinhas nessa caminhada, se sentindo estranhos no ninho, por estarem em uma família que não fala e nem acredita no mesmo que você ou perto de pessoas que não te entendem. E sabe como eu sei disso? Por que assim como você eu também me senti um peixe fora d’água na minha própria família quando comecei a trilhar esse caminho. E te digo: com calma, tempo, paciência, aceitação, sem querer impor nosso jeito sobre eles, sendo pontes (e não muros) é possível perceber que nós podemos ser a fonte de inspiração para eles buscarem o seu caminho. Eu sou prova disso!

Gurus

Em meio a tantas formas de se melhorar como pessoa, não se iluda, existem várias ‘Alines’ por aí. Várias pessoas que buscam desmistificar, que procuram trazer alertas do que acontece conosco quando fugimos daquilo que nascemos para ser. Eu fico imensamente feliz em poder falar de muitos sem titubear: Bruno Gimenes, Pat Cândido, Amanda Dreher, Bruno Juliani, Gerônimo Theml, Sandro San, Cátia Damasceno, Rosana Braga, Rodrigo Cardoso, Catia Bazzan, Andressa Bortolasso, Cássia Zottis, Nelson Theston, Ieda Gruber, Vitor Hugo França, que aliás está fazendo um belíssimo trabalho com relação às Práticas Xamânicas...

Xamanismo

Está aí uma forma para começar a resgatar tudo o que perdemos dos nossos ancestrais. Toda essa sabedoria que faz tanta falta para tocarmos nossa vida em frente de forma coerente, conscientes dos nossos potenciais e dos que querem dizer os sinais que a vida nos dá. E esse tema é tão profundo e importante que decidi conversar com meu grande amigo Vitor Hugo França para marcarmos um encontro para conversamos sobre isso. Sabe o que aconteceu? Ele topou!

Aula Gratuita e ao Vivo

Por isso, nessa quinta-feira, dia 17/08, às 20h, eu e a Caminho Solar daremos um presente para você que me acompanha, comenta, compartilha... Será uma aula aberta, no meu canal do YouTube (Não sabe onde é? Não é inscrito? >>CLIQUE AQUI<<). Te digo uma coisa: se prepara! Você será tocado por uma força tão grande, que sairá da aula se sentindo uma outra pessoa. Porque além de esclarecer ainda mais sobre esse tema, ele fará exercícios, meditações para ativar em você essa energia tão especial que perdemos ao longo do caminho...

Ah! Essa aula ficará liberada, permanentemente para você assistir quantas vezes quiser...

Ou, caso não consiga assistir na hora, poderá ver a reprise depois...

Por isso, guarde essa data: 17/08/17, às 20h, no meu canal do YouTube (>>LINK DO CANAL DA ALINE<<).

Um grande abraço no seu coração.

Te espero lá...

Com carinho,

Aline Schulz.