Desapegar é preciso

Em 15/04/2019 , Comments

Por Cidinha Graziato

Sim, desapegar é necessário. De tempos em tempos nos vemos cercados de mesmice por todos os lados, levando uma vidinha sem sal, sem novidades, sem lances de sorte ou coincidências felizes...

Olhando em torno, vemos a nossa casa sempre do mesmo jeito, tudo com cara de confortável, conhecido, morno.

No trabalho, poucas coisas trazem vibração, estamos até certo ponto acomodados no stress que já nos habituamos a sentir.

Algumas vezes, o convívio com a família mostra constantes brigas, que são frutos de uma proximidade exagerada, invadindo os limites do espaço de cada um; ou é o relacionamento a dois, que está dando sinais de desgaste, chegando às vezes a ser abusivo, mas não deixamos que acabe...

Tem solução?

TEM!!!!

Precisamos nos desapegar da zona de conforto, da rotina, dos velhos caminhos conhecidos, dos mesmos sabores e lugares preferidos, das coisas que já usamos tanto, que nossa relação com elas, e também as próprias coisas, já estão desgastadas.

Precisamos marcar um espaço próprio onde o convívio com familiares respeite privacidade, sem confundir intimidade com invasão.

Precisamos deixar de nos prender a laços conhecidos, porém pouco saudáveis, e nos abrir para que novos relacionamentos surjam, mais equilibrados e satisfatórios.

 

FALAR É FÁCIL.

 

Claro que colocar em prática não é tão simples como falar a respeito, mas se o desapego é necessário, o sofrimento é opcional.

Existem formas de lidar com o desapego que suavizam essa etapa da nossa vida, principalmente quando sabemos que, quando novamente tivermos que passar por ela, poderemos usar essas ferramentas.

Temos que aprender, mas daí em diante estarão sempre à nossa disposição.

E serão úteis para desapegar de coisas, de lugares, de pessoas, de animais de estimação, enfim, é um conjunto de habilidades que terá sempre muito uso em nossa vida.

 

AFINAL, O QUE É O APEGO?

 

Vamos então analisar o apego, como ele é, o que traz de positivo, em que nos ajuda ou atrapalha, quais as suas causas e consequências.

Apego é uma forte ligação emocional que mantemos com algo, alguém ou algum lugar ou situação, ligação essa que nos fornece segurança, nos faz sentir completos e nos parece vital, a ponto de imaginarmos não sobreviver à sua falta.

Quando temos o objeto do apego ao nosso alcance, ou de alguma forma sabemos que o teremos quando assim for nosso desejo, sentimos calma e satisfação, e isso é o que ele tem de melhor.

Auxilia enormemente na construção de nossa autoconfiança, autoestima, autocontrole, enfim, nos faz sentir completos e no domínio de nossas emoções. Tudo perfeito, até que...

Em dado momento, que pode ou não nos surpreender, temos que abrir mão desse apego, seja por circunstâncias alheias à nossa vontade, ou porque reconhecemos que ele não pode mais ter lugar em nossa vida.

É nesse momento que sentimos o quanto ele nos atrapalha, e como são negativas as consequências de alimentar esse tipo de relação em nossas vidas.

Na hora de desapegar, parece que nos falta o chão, abre-se um buraco no peito, desaparece nossa motivação para as atividades diárias, mas não tem que ser assim.

Sabendo que um dos grupos dos Acordos Espirituais é o dos Apegados, e que esses acordos irão se repetir até que a lição neles contida seja absorvida, é prova de sensatez quando buscamos nos livrar dos apegos da forma mais rápida e eficaz que conseguirmos.

 

TRUQUES PARA DESAPEGAR SEM DOR

Em primeiro lugar, quero deixar claro que o processo é muito diferente para lidar com cada tipo de desapego, mas que a postura interna é basicamente a mesma em todas as situações.

Autoestima e autoconfiança.

Mas tem um caminho pra chegar lá.

 

1 – Objetividade

Olhar para as coisas e pessoas, lugares e situações dando um passo atrás facilita colocar em perspectiva necessidades e possibilidades.

Ajuda a reconhecer o que é realmente necessário, e distinguir daquilo que é apenas desejado.

Também mostra com clareza os limites entre aquilo que é possível manter, e as coisas impossíveis ou impraticáveis, cuja existência irá custar um esforço heroico para alimentar, com resultados nulos ou quase.

2 – Criatividade

Sabe aquela rua onde você nunca passa? Aquele sorvete que tem um sabor que você nem sabe qual é, mas troca pelo bom e velho sabor favorito?

Acho que você já entendeu né?

Fazer novas escolhas, correr riscos inofensivos, descobrir lugares, atividades, interesses, leva a conhecer novas sensações, pessoas, realizações...

Naquela rua pode existir uma escola de sapateado, ou dança do ventre, ou uma academia de arco e flecha, ou qualquer coisa que você morre de vontade de fazer!

E você pode encontrar pessoas, prazeres, habilidades, que trarão mais movimento e cor à tua vida.

Vale a pena, mas não precisa acreditar em mim. Testa!

3 - Reconhecimento

Há objetos em nossa casa, ou projetos em nossa cabeça, que nos habituamos a ver sempre no mesmo lugar, e nem questionamos mais se valem o espaço que ocupam.

Olhar para eles, reconhecer quando já cumpriram seu papel, seu ciclo de utilidade, seu tempo de maturação e produtividade, no caso dos projetos, torna evidente o benefício que há em deixar que sejam substituídos por coisas mais novas, úteis ou empolgantes.

É assim que movimentamos a vida, deixando entrar novidades, sorte, presentes, coincidências felizes, e coincidências não existem...

Esse é o desapego que abre o fluxo da prosperidade, sabia? Abrir mão do que nos sobra, em favor de quem precisa, é um gesto de gratidão que o Universo não costuma deixar sem retribuição!

Agradecer e liberar é a chave.

4 – Alto astral

Quando uma força fora do seu controle (ou seja, qualquer coisa) traz o fim de algo que você gosta, é normal um pouco de tristeza.

Eu disse “um pouco”, certo?

Virar um pano úmido, lançando gotas de amargura e desânimo para todos os lados, só vai afastar da sua presença justamente aquelas pessoas que mais podem te ajudar. Isso mesmo, as pessoas divertidas, animadas, alegres, otimistas, tudo aquilo que você quer voltar a ser, ou aprender a ser.

Para superar uma tristeza, normal, de tamanho médio, aquela comum que todo mundo tem um dia ou outro, há muitos recursos para todos os gostos.

Música, chocolate, exercícios ao ar livre, dormir com o ar condicionado no máximo, sob três cobertas...

Ler, brincar com animais, andar pelo parque mais próximo, maratonar com pipoca e sorvete a sua série preferida... A relação de opções é virtualmente infinita.

Pegou o espírito da coisa?

Pois é. Mas quero deixar claro que não estou falando de depressão, isso é conversa pra outras medidas que não cabem aqui.

5 - Esperança

É o contrário da escassez, quando temos esperança, sabemos que no futuro haverá coisas boas chegando, e que daquilo que doamos ou dispomos em favor de outras pessoas ou entidades beneficentes, nada irá nos fazer falta ou trazer sentimentos negativos.

Há pessoas que, por falta de esperança, de fé no futuro, ficam escravas da escassez, e acumulam coisas úteis e fúteis, belas ou não, valiosas ou descartáveis, para elas o que importa é estarem cercadas de tudo aquilo que acham que, caso deixem ir, lhes fará falta.

Na verdade, esses acumuladores acabam plantando a escassez e colhendo solidão, porque afastam de seu convívio as pessoas mais próximas, já que elas se sentem mal no ambiente que eles criam, ou acabam sendo por eles mesmos afastadas. seja por vergonha, ou para que não haja interferência no modo de vida que escolheram.

Só com muito amor e esperança esse quadro pode ser minimizado ou revertido.

O apego, nesses casos, é uma condição psicológica que demanda atenção multidisciplinar, com a atuação de profissionais de diversas áreas para que possa ser manejada adequadamente.

6 – Autoconhecimento

Quando você faz silêncio e ouve o seu coração, pode acalmar os sentimentos, acolher suas dores e cuidar delas.

Nesses momentos de intimidade com o interior, uma pessoa é capaz de limpar as mágoas, pesar seus defeitos e virtudes, encontrar força interna e reconhecer que a vida ainda tem muito a oferecer, de forma a buscar viver seus aprendizados e colher as coisas boas que certamente ainda estarão à sua espera.

Há ferramentas fantásticas para ajudar nessa jornada, sendo uma das mais efetivas o método dos Acordos Espirituais, assim como o uso da Fitoenergética e florais de Bach.

7 – Autoestima e autoconfiança

Irmãs siamesas, ambas aparecem quando, depois de lavar o coração no autoconhecimento, aprendemos a reconhecer os sinais de apego, e a tomar medidas para contra-atacar antes que ele se instale novamente, analisando os erros que compõem a formação desses laços que mais nos prendem do que nos agradam.

Usando essas medidas, observando o eixo de compensação das raízes dos acordos espirituais revelados nas coisas a que nos apegamos, e aplicando o SCAE – Sistema de Controle dos Acordos Espirituais, é muito mais fácil e menos doloroso lidar com o necessário desapego.

Posso te ajudar com isso? Então fala comigo!

 

Conheça mais sobre meu trabalho clicando na imagem abaixo.

Gostou do artigo? Deixe o seu comentário e continue seguindo o nosso blog!

Um forte abraço.